08 março 2016

Angústia


Existe dor pior que a dor da angústia? Mas angústia do quê? Da dúvida, da incerteza...
As vezes me sinto tão idiota agindo como se nada estivesse acontecendo, como se tudo se encontrasse na mais perfeita normalidade, como se forçasse a barra só pra ver um comportamento diferente seu por achar que você está me evitando sem motivo algum aparente. Fico na minha cabecinha martelando coisas sem sentido, hipóteses que possam ter o mínimo de explicação possível para tentar entender essa sua retração. Será que a minha insegurança tem um papel principal nisso?  Será culpa da bagagem que nosso passado carrega? Por que relações são tão complexas? Quanta infantilidade de duas pessoas adultas! Não seria mais fácil sentarmos e conversarmos pra esclarecer as coisas? Do que temos medo? Quando a sinceridade e a honestidade deixaram de fazer parte dessa relação? Eu tenho que confessar que a dor dessa angústia me mata por dentro. Não quero que seja mais uma pessoa que vá embora, to cansada disso, também não quero que fique forçado... Não tenho dom para ser colecionadora de decepções. Controlar meus impulsos não é tarefa fácil, mas eu disse que queria que as coisas fossem diferentes dessa vez... Acreditei que você pudesse ter compreendido, mas não, você se mostrou tão confuso quanto eu. Não posso mendigar seu amor, nem implorar respostas suas, bater na mesma tecla não dá mais, vou apenas seguir em frente com a cabeça erguida como sempre fiz... 

- Agda Muniz  

2 comentários:

Graziele Santos disse...

Penso que o mais importante no processo é a tal da consciência limpa, pois assim os perturbadores "e ses" não aparecem pra nos assustar.
Seguir em frente é sempre o que nos resta, tendo conosco as respostas que queremos ou não... Foi assim que acabei amadurecendo.

Agda Muniz disse...

É uma forma de amadurecimento um tanto dolorosa, mas necessária.